domingo, 11 de dezembro de 2011

Imagens que dizem tudo




Oriente-se.
-------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Israel promovendo a limpeza étnica palestina

As demolições de casas palestinas continuam. Os palestinos de Jerusalém Oriental estão sendo despejados e suas casas continuam sendo demolidas.

É a limpeza étnica palestina.

O vídeo adiante mostra com riqueza de detalhes a forma como a polícia israelense age para praticar tamanha injustiça e crueldade.


Oriente-se.
-------------------------------------------------------------------------------------------

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Netanyahu o “mentiroso”. Quem não é?



Sarkosy apenas disse aquilo que todos já sabem, que Netanyahu é um grande mentiroso e eu complemento dizendo que não apenas ele.

A cerca de um mês o Presidente da França, Nicolas Sarkozy, numa conversa com Obama soltou a seguinte frase a respeito do primeiro ministro de Israel, Benjamin Netanyahu: “Eu não o suporto mais, ele é um mentiroso”. Obama, por sua vez, comenta: “Você pode estar farto dele, mas eu tenho de lidar com ele todo dia”.

Apesar de tudo e do breve desabafo de Sarkosy e de Obama, a única coisa que me vem à cabeça é de que a política muitas vezes [ou quase sempre] se reveste de uma promiscuidade impressionante.

Estados Unidos apoia Israel em todos os seus projetos. Nem por isso, se esquiva de soltar tal comentário. Por que então o apoiar? França, por sua vez, concorda em defender um estado cujo primeiro ministro é um mentiroso.

O interessante é que duas semanas após os comentários, um ataque israelense na faixa de Gaza atingiu a casa do Cônsul Frances ferindo sua família e levando sua mulher, que estava grávida, a um aborto.

Se eu não conhecesse o comportamento do estado sionista até diria que tudo não passou de uma fatalidade e coincidência. Mas não, com Israel não cabem tais julgamentos. O Sr. Sionista não conhece outra forma de responder que não seja jogando algumas unidades, dezenas e centenas de mísseis sobre as cabeças daqueles que o ameaça ou insulta.

Digamos que essa tenha sido uma maneira singela de Netanyahu dizer a Sarkosy “não gostei do seu comentário!”.

Alguns dias antes, Sarkosy havia enviado uma carta para Netanyahu para reafirmar seu apoio a Israel em consideração à "amizade" construída entre os dois países. É quase certo que Netanyahu tenha "aceitado" as considerações do Presidente Francês e tenha, inclusive, se "lamentado" pelo ocorrido com o Cônsul Francês e sua família. É bem provável também que eu seja uma completa idiota.




Oriente-se.
------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 29 de novembro de 2011

365 dias de solidariedade ao povo palestino


Fonte: Google imagens (mães e crianças palestinas).

Não é necessário um dia, em exclusivo, para ser solidário ao povo palestino. Sou solidária ao povo palestino todos os dias.

O sofrimento desse povo e ao mesmo tempo a força e resistência fez brotar em mim sentimentos patrióticos que não conhecia.

É fácil classificar um palestino que defende o seu país e seus direitos como um terrorista. Difícil é compreender sentimento tão profundo e escasso no meio de tantos.

O que Israel e Estados Unidos ainda não compreenderam é que o povo palestino é um povo que tem força. Resiste às pressões, que não são poucas, e sobrevive às constantes e diárias ameaças do movimento sionista.

Dessa forma, já que criaram o dia da solidariedade ao povo palestino, dedico esse dia às mães palestinas que geram seus filhos para um futuro inserto. Que permitem que seus filhos saiam de casa para as escolas sem terem a certeza de que irão voltar. Às mães que visitam seus filhos em cadeiras israelenses, inclusive crianças, sem terem conhecimento do dia em que serão libertados. Verdadeiras guerreiras e lutadoras! Algumas geram filhos para a morte, pois não haveria de ser diferente, já que a honra e a dignidade são legados familiares passados de geração em geração. Não posso deixar de mencionar as crianças palestinas, que nasceram e vivem com a guerra, e aquelas que viveram com ela.

Às mães e crianças palestinas que enchem o google imagens de fotos chocantes, anunciando uma realidade cruel e injusta, quando pesquisamos a expressão mães e crianças palestinas, ao contrário do resultado quando pesquisamos mães e crianças americanas e israelenses.


Fonte: Google imagens (mães e crianças americanas e israelenses).

O futuro da Palestina depende de vocês. Por isso, posso dizer que sou solidária ao povo palestino todos os dias, especialmente solidária às mães e crianças, esperança de dias melhores e da tão sonhada liberdade.

Oriente-se.

-----------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Notícias sobre o Egito em imagem e vídeo


Assim foi o sábado passado no Egito.




Com isso a polícia e o exército atacaram e continuam atacando os manifestantes.


Fonte: Al Jazeera.

Por isso, a praça Tahrir está assim hoje.





Os manifestantes não irão sair de lá até que o Conselho Militar entregue o poder aos civis.

--------------------------------------------------------------------------------------------

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Egito: derrubar Presidente é fácil, difícil é derrubar o sistema




Outro dia vi um vídeo/documentário, em que manifestantes que haviam participado dos protestos no Egito se lamentavam pelos direcionamentos que a “revolução” egípcia tomou. “Eles roubaram a revolução de nós” diziam.

O Egito é um dos principais países do Oriente Médio, para não dizer o principal. Por conta disso, é visado por potências ocidentais, leia-se Estados Unidos. Porque é de interesse norte-americano que o sistema político egípcio esteja de acordo com o seu. Com isso, sustenta-se uma “paz” fantasiosa com Israel e um equilíbrio mentiroso de ideais com outros países do Oriente Médio.

Não bastasse o total despropósito do presidente deposto Hosni Mubarak em governar o Egito durante 30 anos, e ainda almejar lançar seu filho corrupto à sucessão, está agora, Conselho Militar fazendo as vezes da casa.

Sabe aquela frase: “o sistema é bruto!” É bruto mesmo. Até o poder militar egípcio, que antes era visto como uma alternativa para o processo de transição no Egito pós-revolução, está saindo pior, bem pior que o encomendado.

Com o que parecia “fim” da revolução falou-se em eleição para formação de um novo parlamento, de um sucessor à presidência e que esse processo levaria em torno de seis meses. Já passamos de nove. O complicado processo eleitoral para o parlamento tem data prevista para iniciar no próximo dia 28 de novembro. A eleição para Presidente, que ainda não tem data definida, poderá ocorrer até o final de 2012.

Você pode achar estranha a afirmação de que a revolução foi roubada dos egípcios. De fato. Até porque, eles derrubaram Hosni Mubarak. Quem então rouba uma revolução? E como?

O Conselho Militar tem seguido os mesmos caminhos de Hosni Mubarak. No Egito, absolutamente nada mudou. Tudo não passa de fantasia, de mentira. É como se Hosni Mubarak ainda estivesse no poder. Até quando?

É certo dizer que o mundo vê o Egito hoje como o país que derrubou seu presidente. Mas é certo dizer também que os egípcios não conseguiram derrubar o sistema. O Conselho Militar propôs recentemente garantias de legitimidade constitucional aos militares. Há quem diga que os soldadinhos querem perpetuar no poder. Por isso, cabe aqui a frase grafada em um faixa de um manifestante na praça Tahrir: “Egito, nosso país não é um quartel”.

Não é só uma questão interna. O problema, dentre tantos outros que o Egito possui, é externo. Não é de hoje que o Estado norte-americano tenta impor sua vontade sobre o Egito. Penso, inclusive, que a ideia de lançar o Conselho Militar egípcio ao comando do país não passou de um plano criado por Estados Unidos. Uma bela alternativa para o problema da revolução. O comandante-chefe das forças armadas, Hussein Tantaoui, e atual Presidente do Conselho Supremo Militar, foi, além de protegido de Mubarak, ministro da defesa de 1991 a 2011.

O povo egípcio acreditou que ao assumir o poder, o Conselho Militar lhes atenderiam as reivindicações feitas. De todas as reivindicações, tem-se apenas a renúncia de Mubarak. Nem o fim do estado de emergência, tão reivindicado, foi conseguido. No início suspenderam, depois com uma justificativa esfarrapada de manter a segurança e a ordem, retomaram.

Apesar de tudo, o “sistema” egípcio ainda não entendeu que o povo mudou. Eles podem até se segurarem no poder, mas não por muito tempo. A praça tahrir está ocupada novamente. Embora a iniciativa de voltar às ruas e aos protestos tenha partido dos grupos islâmicos descontentes com as novas regras para a candidatura eleitoral, outros grupos aderiram ao chamado. As reivindicações são praticamente as mesmas de antes, fim do sistema, do estado de emergência, mas principalmente que o Conselho Militar passe o poder para os civis.



E como tudo está como antes [ou quem sabe pior] a resposta do governo não foi diferente. A polícia egípcia, agora com apoio dos militares, abriu fogo contra os manifestantes. Desde sexta-feira passada inúmeros confrontos têm sido visto por todo o Egito. Tudo me lembrou os protestos de janeiro e fevereiro, com direito a cassetetes, bombas de gás lacrimogêneo, tiros, espancamentos, inclusive com pessoas sendo puxadas pelos cabelos. Até agora 24 pessoas morreram e centenas estão feridas.







Mortos e feridos nos confrontos de sábado.
--------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 15 de novembro de 2011

A prostituição da Liga Árabe e a conspiração em torno da Síria, não se engane o alvo é o Irã




É nojenta e imoral a relação política que os Estados Unidos mantêm com a Liga Árabe.

A propósito, a Liga Árabe nunca foi exemplo de organismo idôneo. Suas ações desde sempre se basearam em decisões políticas que beneficiaram posições ditatoriais e interesses externos.

Antes que você pense que estou perseguindo os Estados Unidos, posso afirmar que SIM, declaradamente.

Havíamos dito aqui que o Governo Sírio firmou acordo com a oposição. Contudo, Estados Unidos, descontente com os novos direcionamentos, tratou de fomentar a violência e provocar o fim do pacto. Comenta-se que a porta-voz norte-americana, Victoria Nuland, encorajou os grupos armados a não entregar suas armas e a seguir com os confrontos até que Bashar al-Assad saísse do poder. Uma manobra para boicotar o acordo do Governo firmado com a liga árabe. Deu certo.

A liga árabe é formada por todos os países árabes dos quais destacam-se: Arábia Saudita, Bahrain, Egito, Emirados Árabes Unidos, Iêmen, Iraque, Kuwait, Líbano, Líbia, Omã, Qatar, Síria.

Arábia Saudita, Bahrain, Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Omã, Qatar, são países ricos e possuem as maiores reservas de petróleo do mundo. São, além dos principais fornecedores de petróleo dos Estados Unidos, também fortes aliados deste. Todos votaram a favor da suspensão da Síria.

Do grupo, apenas Líbano e Iêmen votaram contra. Líbano porque sabe das reais intenções da proposta e Iêmen porque foi abandonado pelos Estados Unidos diante da revolta popular que ocorre no país. Assim como ocorreu com a Tunísia, Egito e líbia, o Governo americano “exigiu” (ele exige!) que o Presidente do Iêmen saia do poder. A propósito, até pouco tempo eram grandes aliados.

Porque desestabilizar a Síria?

Porque atacar o Irã será mais fácil. A Síria faz fronteira com o Estado sionista (Israel) e em inúmeras vezes Ahmadinejad afirmou que acabaria com Israel caso sofresse alguma ofensiva. Síria e Irã são aliados. Ou seja, com Bashar al-Assad fora, e claro, tendo a Síria sob domínio externo, direta ou indiretamente, tal qual fizeram com o Iraque, o ataque ao Irã é praticamente certo.

Essa semana Rússia e China já se adiantaram e afirmaram que, caso o Conselho de Segurança da ONU proponha a votação para um possível ataque ao Irã, vetarão. Com pelo menos um veto qualquer medida é suspensa.

Obviamente que estão sendo, por hora, sensatos. Mas não me iludo. As artimanhas do imperialista norte-americano e do Estado sionista são muitas e eles não medirão esforços para provocar o consentimento desejado.



Oriente-se
-------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Estados Unidos e Israel ameaçam Irã. De novo? Já ouvi essa história!



Isso tá parecendo novela. Nesse caso, com atores israelenses, Estados Unidos articula ataque contra o Irã.

Quem ainda acredita que Israel “sozinho” está corajosamente se habilitando a enfrentar o Irã? Ninguém!

Só para destacar, o Estado sionista está localizado entre Líbano, Síria, Jordânia e Egito. Tá certo que Jordânia e Egito se tornaram digamos “aliados” de Israel, mas Líbano e Síria não. A propósito Líbano na última guerra travada contra Israel não se deu por derrotado, pelo contrário, Israel teve que se retirar do território libanês. A Síria, apesar dos problemas internos com o atual Presidente, Bashar al-Assad nunca escondeu seu repúdio pelo Estado sionista.



Então, retomando. Israel pretende atacar Irã. Já ouvimos notícias como essa no ano passado e em anos anteriores. De fato não é recente. Acontece que estão (Israel e Estados Unidos) articulando para as vias de fato. No fundo eles sabem que atacar o Irã não é uma boa ideia. O então Presidente iraniano já declarou repetidas vezes que se isso ocorrer irá reduzir Israel a pó.

Como Estados Unidos já tem várias guerras nas costas, está usando a “disponibilidade” israelense para ameaçar Irã e principalmente preparar a opinião pública. A estratégia é mais ou menos essa. Fala-se sobre algo relevante, como é o caso da preocupação do ocidente com relação ao enriquecimento de urânio no Irã, mas no fundo isso pouco importa. E digo mais, é provável que, se ocorrer uma guerra entre os países, não se prove a intenção do Governo Iraniano em fabricar as tais armas nucleares. Isso não tá parecendo Estados Unidos e Iraque?

O Iraque foi atacado por Bush com a justificativa de que Saddam Hussein escondia armas de destruição em massa. Após algum tempo confirmou-se que de fato não havia tais armas no Iraque. No entanto a guerra durou anos e a intervenção americana em solo iraquiano ainda está presente. Houve uma desestabilização no Iraque, Saddam Hussein foi condenado à morte (lembra do al-Gaddafi na Líbia? o cenário foi outro mas a intenção foi a mesma) e a política, bem como, economia iraquiana está sob a “influência” norte-americana.

Em resumo...

De novo, não se pode afirmar que Irã tem intenção de construir bombas atômicas.

De novo, não se fala sobre o fato de Estados Unidos possuir o maior arsenal nuclear do mundo. Israel está entre os primeiros também.

De novo, não se considera o fato de Israel se quer ser signatário do Tratado de Roma, que prevê, entre outras questões, o julgamento e punição de países acusados de crimes de guerra e contra a humanidade no Tribunal Internacional Penal.

A IAEA disse hoje em relatório que Irã pretende construir arma nuclear. Ahmadinejad, no entanto, afirma que isso não é verdade. Ah! Já ia me esquecendo, a AIEA é um organismo da ONU, escritório dos Estados Unidos.

É até provável que essa guerra aconteça. É provável também que Israel sofra as conseqüências por isso. Eu pessoalmente desejo que essas conseqüências beneficiem não apenas o Estado Palestino, mas todo o Oriente Médio.

Oriente-se.
---------------------------------------------------------------------------------------------

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Síria aceita o plano proposto pela Liga Árabe - Estados Unidos e Israel ameaçam Irã



A aprovação da Síria foi anunciada durante uma conferência realizada no Cairo.

O acordo inclui a interrupção de todos os atos de violência, a libertação de todos os prisioneiros que foram detidos por causa da crise, o desarmamento e a liberdade de imprensa às organizações da Liga Árabe e organizações internacionais.

A opinião pública síria parece estar de acordo com o plano. Analistas dizem que o fim da violência será o passo fundamental para um diálogo construtivo entre o Governo Nacional e os membros da Oposição.

Centenas de milhares de sírios marcharam na cidade síria de Tartous para expressar apoio à decisão. Gritavam slogans rejeitando a intervenção estrangeira e saudavam o exército sírio. Pedem agora pelo fim da instabilidade, a fim de que o país volte a desfrutar de segurança e estabilidade.

Será por isso que Estados Unidos e Israel agora ameaçam o Irã?

Descontentes com o acordo do Governo Sírio, já que não haverá mais fundamento para uma intervenção, tal qual realizada na Líbia, os imperialistas procuram uma maneira de manter o regime operante. Apesar do barulhinho que fizeram hoje, tudo não passa de sonoros latidos, aqueles que os cães vira-latas conhecem bem.

Em resposta à ameaça o site iraniano Presstv anunciou, na visão de Salami Ismail, analista político:
"Pouco importa por que razão a idéia de atacar o Irã foi articulada nas mentes dos israelenses ou quem foi o autor inicial desta noção imbecil. O que é importante é que um ataque israelense não só perturba o equilíbrio político no Oriente Médio, mas vai causar prejuízos de proporções inconcebíveis sobre a entidade sionista também. Um ataque militar de Israel contra o Irã é o equivalente a um prego final no caixão da sionismo."

Fonte: Presstv
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Estados Unidos: Primavera Norte-Americana?


O imperialismo norte-americano saboreia aquilo que ele tem assistido e monitorado de longe desde o início do ano. PROTESTOS! USA não esperava por isso.

Por todo o país, milhares de americanos saem às ruas para protestar contra a economia, falta de emprego, injustiça, corrupção, insatisfação política.... CAPITALISMO. Isso mesmo, capitalismo. O líder capitalista mundial sofre protestos de seus civis contra o atual sistema.

Assim como ocorreu, e está ocorrendo nos países árabes, claro que reservadas as proporções, a força policial vem respondendo de forma violenta aos protestos, com agressões, prisões...



Que engraçado isso! O país que arrota democracia e que defende a liberdade de expressão não está permitindo que seus civis o faça!

O movimento que se iniciou em Nova York atingiu hoje várias cidades dos Estados Unidos e também inúmeras cidades de outros países, como na Europa e América da Sul.

Protestos nas cidades americanas. Fonte: Al Jazeera.


Estão todos unidos contra a injustiça e contra o capitalismo que só favorece minorias e empobrece ainda mais a grande maioria.

Isso é o que a democracia parece. Fonte: Forbes.

A Europa não precisava exatamente de um estímulo para participar. Na verdade, ela está à beira do abismo político/econômico. Em crise, as grandes potências européias deverão sofrer ainda mais nos próximos dias com as manifestações e protestos que, a meu ver, irão ocorrer.

Os protestos que estão acontecendo nos Estados Unidos estão apenas começando e irão se espalhar pelo mundo todo. Um site (em inglês), chamado Occupy Together foi criado com o objetivo de unir pessoas de toda a parte do mundo ao movimento. Todos poderão se manifestar em suas cidades contra a desigualdade social, a pobreza, a corrupção, a economia...

E, claro, facebook, twitter, redes sociais em geral, unidos pela comunicação rápida, simultânea e global. Salve a internet! E o tio Sam achou que isso era coisa de país árabe!

Que a democracia venha pelo povo e para o povo!


Oriente-se.
-------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 18 de outubro de 2011

1.027 por 1, quem dá mais?



Há motivos para comemorar. No entanto, há espaço para criticas também.

A libertação de 1.027 presos palestinos pela libertação do soldado israelense não deixa de ser uma humilhação ao povo palestino.

Volto a afirmar: há motivos para celebrar, afinal de contas quem não gosta de liberdade? Ainda mais os palestinos, na situação em que se encontravam, presos por motivos que nem sempre condiziam com a acusação. A propósito, há presos que se quer possui condenação. E mesmo os que possuem, é preciso avaliar as causas que os levaram a cometer seus delitos.

O fato é que Israel quis passar sua mensagem: “um israelense equivale a ‘mil’ palestinos”.

Para mim, mesmo que essa hipótese, para não dizer constatação, seja verdadeira, o importante é que os 1.027 estarão livres.

A triste conclusão é que estarão livres da cadeia israelense para ficarem presos ao sistema sionista, seja na Cisjordânia pela subordinação política, econômica e territorial ou na prisão aberta de Gaza.

--------------------------------------------------------------------------------------------

sábado, 24 de setembro de 2011

Discurso de Mahmoud Abbas na ONU - Pedido de reconhecimento (vídeo)

Seria perfeito se não fosse equivocado.

Mahmoud Abbas é aplaudido com entusiasmo durante alguns minutos ao adentrar no plenário da ONU para proferir seu discurso, em que solicita à ONU reconhecimento do Estado Palestino conforme as fronteiras de 67.


Assista os demais vídeos (parte 2 e 3) no youtube.

------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Voto contra o pedido de Mahmoud Abbas na ONU



Pelo simples motivo de que o território Palestino compreende a totalidade do território e não apenas os limites demarcados pela guerra dos seis dias (1967).

Ao concordar com os limites de 1967, Mahmoud Abbas estará admitindo a partilha, a permanecia de Israel na região, conferindo o direito do Estado sionista de governar e de subtrair direitos palestinos legítimos, além de estar possibilitando os planos de expansão sionista, e principalmente ignorando a morte de milhares de palestinos, egípcios, jordanianos, sírios, entre outros, por ocasião das guerras que ocorreram desde 1947, que submeteram ao estado de refúgio milhares de palestinos desde então.

Obviamente que ninguém gosta de viver em guerra, no entanto, o povo palestino que já está calejando de tantas guerras e conflitos, não está de acordo com o pedido de Mahmoud Abbas. A população, na verdade, em sua maioria, está totalmente dividida entre aqueles que não concordam e aqueles que não têm ainda uma opinião formada sobre o assunto.

O reconhecimento do Estado Palestino, como está sendo solicitado essa semana, não irá garantir a paz na região. Caso isso venha a ocorrer, o que se conseguirá será apenas uma bandeira palestina hasteada na ONU, conforme mencionou o líder do Hamas essa semana. Na prática o bloqueio continuará e a humilhação também. Ter que admitir a existência do Estado israelense e ainda ter que dividir o território será para sempre motivo de derrota e humilhação, caso o Estado Palestino de acordo com as fronteiras de 67 seja reconhecido.

Por mais que Israel venha se mostrando descontente e contrariado com a iniciativa de Mahmoud Abbas, ao levar o pedido do reconhecimento à ONU, o Estado sionista deve considerar a sempre e fiel ajuda dos Estados Unidos, que de bobo não tem nada. E claro que o Estado sionista sabe bem disso, afinal de contas, Israel somente veio a existir em função das estratégias dos governos francês e britânico e atualmente pela ajuda e parceria do imperialista norte-americano.

Assim, eu voto NÃO ao reconhecimento do Estado Palestino nos limites de 1967 e SIM ao reconhecimento do Estado Palestino nos limites de 1947. 


Hoje e sempre: “Não à existência do Estado sionista israelense e sim à auto-determinação, justiça e liberdade Palestina”.

---------------------------------------------------------------------------------------------

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

De Aranha à Roussef – Pela Palestina livre



Osvaldo Aranha é o nome do brasileiro responsável por presidir a sessão especial da Assembléia Geral da ONU em 1947 e recomendar a criação do Estado de Israel, conseqüente partilha da Palestina.

64 anos depois, Dilma Roussef se encarregará da responsabilidade de abrir a Assembléia Geral das Nações Unidas, dia 21 de setembro próximo. Parece um paradoxo, mas é verdade.

Li uma entrevista do embaixador Palestino no Brasil em que o ilustre afirma: “Esperamos que seja o fim da 'etapa Osvaldo Aranha' e o início da 'etapa Dilma Rousseff'”. Assim também espero. Acredito, inclusive, que não apenas eu, mas todos os palestinos.

Espera-se que Dilma, ao abrir a sessão, aborde sobre a questão palestina e principalmente se antecipe sobre a posição brasileira favorável ao reconhecimento do Estado Palestino.

Brasil vem se posicionando como detentor de grade influencia na política internacional. Vale lembrar que o Presidente Lula, no final do ano passado, reconheceu o Estado Palestino originando uma série de novas adesões por parte de outros países como Argentina, Uruguai, Chile, entre outros.

------------------------------------------------------------------------------------------

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

China à favor do Estado Palestino


Olá pessoal.

É isso mesmo, estou de volta!

Durante os dois meses que se passaram, em meio a alguns projetos pessoais/profissionais estive acompanhando todas as notícias sobre a Palestina.

Para celebrar esse retorno, não há notícia melhor que a divulgada hoje. A China, um país importante no atual contexto econômico mundial, confirmou voto favorável à criação do Estado Palestino na ONU.

Sabemos que Estados Unidos usará o poder veto, contudo, e apesar disso, vejo a questão com bons olhos. Na verdade, o mundo todo poderá ver, por "outros olhos", a atuação norte americana sobre o impasse, ao preferir proteger Israel contra o poder legítimo Palestino à um Estado, entre tantos outros direitos extraídos.

--------------------------------------------------------------------------------------------

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Protesto de uma judia americana contra a ocupação ilegal no discurso de Netanyahu

No discurso realizado por Netanyahu esta semana, uma ativista se levantou, interrompendo-o e lançou aos gritos declarações contra a ocupação ilegal. Rae Abileah, uma jovem judia de nacionalidade americana e que faz parte do movimento ‘CODPINK: Womans for peace (Mulheres pela paz)’ protestou: "A ocupação é indefensável", "Não a ocupação, fim aos crimes de guerra de Israel, igualdade de direitos para os palestinos, a ocupação é indefensável." A ativista protestou logo após Netanyahu ter falado que a juventude ao redor do mundo tem se levantado para mais democracia.

No vídeo (inglês) que mostra o momento, Netanyahu ainda é irônico e diz que esse tipo de manifestação não ocorreria na Síria ou no Irã, e que isso sim era democracia.

video

Enquanto isso a ativista era arrastada aos socos e murros para fora do local. Teve que ser levada para o Hospital para tratamento dos ferimentos no pescoço e no ombro.




Rea Abileah disse:

"Estou com muita dor, mas isso não é nada comparado à dor e ao sofrimento que passam os palestinos. Eu estive em Gaza e na Cisjordânia, já vi casas de palestinos bombardeadas e arrasadas. Eu falei com as mães cujos filhos foram mortos durante a invasão de Gaza. Eu vi estradas judias levando a constante expansão de assentamentos na Cisjordânia. Esse tipo de ocupação colonial não pode continuar. Como uma judia e uma cidadã dos EUA, sinto-me obrigada a me levantar e falar contra estes crimes que estão sendo cometidos em meu nome e com o dinheiro que pago pelos meus impostos."

Além disso, a ativista disse que é solidária aos ativistas palestinos e israelenses, que são rotineiramente presos e agredidos por falar de democracia.

Esse episódio veio mostrar que o movimento pró-palestina não é um movimento religioso ou extremista. É um movimento pelos direitos humanos, pela dignidade do homem e por seu direito de sobrevivência. Não sabemos ao certo, o número de ativistas adeptos à causa palestina, mas sabemos que a causa palestina possui ativistas espalhados pelo mundo tudo e que independe de nacionalidade, etnia ou religião.


É isso que Obama não entendeu ainda. Não será o veto no Conselho de Segurança da ONU que impedirá a busca pelo reconhecimento do Estado Palestino. As manifestações pela justiça estão se intensificando e o direito de fato é incorruptível. Os vídeos adiante mostram um pouco dessas manifestações.


A OCUPAÇÃO É INDEFENSÁVEL!










----------------------------------------------------------------------------------------

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Vídeo de Obama no AIPAC de 2008: "Jerusalém é indivisível!"


Você acredita em Obama?


video


Estar de acordo com a criação do Estado Palestino nas linhas de 1967 é estar de acordo com a divisão de Jerusalém, sendo que Jerusalém Oriental será a futura capital da Palestina. Não foi exatamente isso que esse senhor disse no AIPAC de 2008.

No AIPAC deste ano o Senhor América disse que a ONU jamais criará um Estado Palestino independente e reiterou seu compromisso com a "segurança" de Israel. Disse ainda que foi mal interpretado quando defendeu o processo de paz entre Palestinos e Israelenses pelas divisas de 67, conforme declaração feita por ele mesmo em discurso amplamente divulgado na quinta-feira passada.

Para quem não sabe quais sãos as linhas de 1967, post abaixo a figura do mapa onde mostra a linha verde que é considerada a linha que divide Palestina à direita e Israel à esquerda, sendo a linha amarela Jerusalém. 

Divisão da Palestina x Israel conforme as linhas de 1967


Os pontos azúis são alguns dos ilegais assentamentos israelenses em terras Palestinas.
 
-------------------------------------------------------------------------------------------

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Análise sobre o Discurso de Obama (reconhecimento do Estado Palestino)



O discurso de Obama sobre o oriente médio foi na verdade um pretexto para falar sobre sua incapacidade de atuar como mediador dos conflitos entre Palestinos e Israelenses. Papel este que deveria ser encabeçado pela ONU (inútil e passional).

Às vezes eu penso que Obama é um medíocre hipócrita, uma marionete a serviço do protocolo norte-americano. Mas não, ele é um fomentador do sistema imperialista, assim como muitos outros ex-presidentes foram. Na verdade eu acho que ele é pior. O bush pelo menos era mais direto, Obama não, sorri, distribui gentilezas e “YES, WE CAN!”, agora “YES WE DID!”.

A propósito, o discurso dele não passou de um discurso político. Daqueles que ele faz para ganhar votos. A sorte dele (ou não) foi ter conseguido eliminar Osama Bin Laden. Mesmo depois de 10 anos de uma incompetência sem tamanho do seu serviço secreto, aquele que é considerado o melhor do mundo, que encontra até agulha num palheiro, “encontrou” Bin Laden no Paquistão, “parceiros”, como gosta de mencionar, e conseguiu dar a volta por cima, convencer o eleitorado, que já se esqueceu dos 10 anos de buscas frustradas, dos milhares de militares americanos que morreram nas guerras e saiu vitorioso.

Mas o povo americano está feliz, melhor condenar à morte mais de cinco mil soldados americanos (número que pode ser maior), 105 mil pessoas no Iraque, 72 mil no Afeganistão e ter como resultado a morte de Osama Bin Laden (Nas torres gêmeas morreram 3 mil). O fim da Al Qaeda não foi possível, infelizmente! Que inclusive já tem outro líder e está mais conhecida e difundida do que nunca! Tem problema não, o país norte-americano tem muito militar pra mandar pra guerra, muita pólvora pra queimar e muita disposição, diga-se de passagem.

Enfim, até que convencer seu próprio público é problema dele e daqueles que nele acredita, mas falar que levará a paz para o Oriente Médio, e que ajudará no desenvolvimento econômico isso é demais! O Sr. “América” não conhece essa palavra: paz! E desenvolvimento econômico pra ele é sinônimo de exploração, posse, privilégio e acordos que na verdade beneficiam apenas seu lado. O atual Governo interino egípcio sabe melhor do que ninguém sobre isso, afinal de contas recebeu o perdão de uma dívida de 1 bilhão com os Estados Unidos. Porque será?

O discurso político de Obama, que antecedeu a visita de Netanyahu (furioso com as declarações feitas pelo imperialista, sobre o direto palestino aos limites de 67), serviu para dar uma mensagem aos Palestinos: “Não se antecipem em solicitar à ONU o reconhecimento do Estado Palestino. Não vai dar certo.” Tolinho! Como se a gente já não soubesse disso!

Mas em uma coisa Obama está certo. A comunidade internacional está impaciente e cansada com esse impasse sem fim. Quiçá os próprios palestinos, verdadeiros heróis! Por essa e por outras, não nos espantamos quando Obama ameaça a Unidade Palestina em frustrar a solicitação à ONU sobre o reconhecimento do Estado Palestino.

O que o terrorista americano está fazendo é se afundar ainda mais na sua hipocrisia ridícula, no seu discurso forjado de garantia aos direitos humanos e democracia. A comunidade internacional está cansada é de ver esse Senhor falar baboseiras sobre um assunto sério e que precisa de respostas rápidas. Sabemos, inclusive, que ele não tem essas respostas, e ele faz questão de anunciar isso reafirmando que o seu compromisso com a segurança de Israel é inabalável.

-------------------------------------------------------------------------------------------

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Insanidades de Binyamin Netanyahu




Com o perdão da palavra, mas acho que Binyamin Netanyahu comeu bosta.

Em discurso realizado essa semana no plenário Knesset (casa legislativa de Israel), o primeiro-ministro Binyamin Netanyahu estabeleceu cinco condições necessárias para um tratado de paz com a Autoridade Palestina. São elas:

1. Os palestinos devem reconhecer Israel como estado da nação judaica.

2. O tratado deve ser um fim para o conflito.

3. O problema dos refugiados árabes deve se resolvido fora das fronteiras de Israel.

4. O Estado palestino terá que ser desmilitarizado e um tratado de paz deve garantir a segurança de Israel.

5. Os assentamentos permanecerão no âmbito do Estado de Israel e Jerusalém permanecerá a capital unida.

Então é o seguinte, a dinâmica do terrorista sionista diz assim: israelenses dentro, palestinos fora, israelenses atiram, palestinos levam bala, os assentamentos são israelenses, além de Jerusalém, claro, e o que sobrar pode ficar com os palestinos. Sem falar que o estabelecimento de um país judeu é garantir um direito religioso, enquanto que a existência de país islâmico é a expressão do mais puro extremismo religioso.

Se ele classifica os refugiados árabes, que vivem nos territórios que eles consideram israelenses, como um “problema”, como podemos classificar os israelenses que vivem nos assentamentos e que invadiram terras palestinas? Para mim, no mínimo ladrões safados.

O estado sionista continua descumprindo a Resolução 181 da ONU e ignora o direito legítimo dos palestinos. Mesmo que os palestinos não concordem com a invasão de suas terras e de ter que dividi-la com os israelenses, a Resolução da ONU deve no mínimo ser respeitada. A Resolução prevê, entre outras coisas, a divisão e a internacionalização de Jerusalém, ignorada por Israel.

O estado sionista ignorou também a divisão inicial dos dois Estados realizada pela ONU e roubou parte das terras determinadas aos palestinos, além de ter construído inúmeros assentamentos sob estas.

Com as condições insanas que Netanyahu colocou, a Palestina praticamente deixaria de existir, ou se reduziria aos limites de Gaza, conforme mostra a figura adiante.


Fonte: APN

Os pontos azúis são todos os assentamentos israelenses em território Palestino. A linha verde dermaca a região Palestina dividida pela ONU, sendo os demais espaços, abaixo, ao centro e até a ponta esquerda, territórios Israelenses.

Estou realmente curiosa para saber quais argumentos serão colocados pelo Conselho de Segurança da ONU ao votarem este ano sobre o pedido de Abbas em que pede o reconhecimento do Estado Palestino nos limites de 1967. Cabe destacar que o que se pede são os limites de 67 e não do plano de partilha de 47 conforme a própria ONU havia estabelecido anteriormente.


Palestina nos limites de 67, marcado em vermelho



No ano das revoluções acredito que qualquer decisão favorável aos interesses unilaterais israelenses e americanos aumentará ainda mais a profunda rejeição que a sociedade internacional tem com relação à ONU, Israel e Estados Unidos.  E quando eu digo, sociedade internacional, estou falando dos países que já reconheceram o Estado Palestinos, representados por 60% do total de países e nações, índice ainda em evolução.

----------------------------------------------------------------------------------------

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Nakba 2011 - militares israelenses ou cavalos indomáveis?

É sempre muito perturbador ver como os militares israelenses tentam “controlar” as manifestações palestinas. Sempre com muita violência, humilhação e abuso, os militares externam o que eles são na verdade, uns cavalos. Não me admira os shministim (jovens israelenses que se recusam a servir o exército) odiarem a idéia.

Neste final de semana, os eqüinos tiveram nova chance de se exibirem. Honrando sua natureza e genealogia de asnos e mulas, mostraram que por mais que procurem evoluir nunca deixarão de ser pangarés.

O grande pesar fica com os nossos amigos e compatriotas palestinos por terem que se submeter a tanta brutalidade, quiçá ao cheiro insuportável que devem emitir, ainda mais quando se unem em bandos, como mostra o vídeo abaixo.

Nabka 15.05.2011




-----------------------------------------------------------------------------------------

domingo, 15 de maio de 2011

Nakba 2011: Luta e resistência palestina x covardia israelense


Menahem Kahana/AFP

Luta e resistência palestina versus covardia israelense, quase nada novo, não fosse a multidão que protestou contra a ocupação israelense. Egípcios, libaneses, sírios, jordanianos, italianos, tunisianos, americanos, espanhóis... juntaram-se aos palestinos neste dia e manifestaram seu repúdio ao regime de ocupação israelense.

Diversos vídeos foram publicados, alguns destes estarei colocando aqui.

Gaza. By: Ken O'Keefe


Tel Aviv e Jaffa


Jordânia


Nova York, Estados Unidos



Itália



Madri, Espanha


Síria


Esse úlimo vídeo é emocionante. Mostra o momento em que centenas de refugiados palestinos e sírios rompem a barreira da fronteira da Síria com os territórios ocupados por Israel nas Colinas de Golã (parte da Síria ocupada por Israel em 1967, anexada em 1981).

---------------------------------------------------------------------------------------------


quinta-feira, 5 de maio de 2011

Unidade Palestina - de que lado você está?





Realmente foi um grande avanço. Na verdade, seria muito difícil para o povo palestino obter êxito no processo de resgate de seus direitos e de sua identidade com a divisão de seu povo.

Aquilo que Netanyahu mais temia ocorreu ontem. Hamas e Fatah celebram a união dos governos palestinos, anteriormente divididos, em prol da liberdade e da luta pela justiça.

Algumas observações importantes devem ser feitas neste processo de reconciliação, como a ajuda do Egito, anteriormente considerado um importante aliado de Israel e Estados Unidos no Oriente Médio. De fato, a revolução no Egito trouxe à tona um dos desejos egípcios mais sufocados pelo antigo regime ditador de Mubarak, que era a cooperação ao povo palestino contras as investidas de guerra e de humilhação, especialmente em Gaza.

Durante anos os egípcios assistiram massacres, humilhações, bloqueios, prisões contra o povo palestino e não puderam fazer nada. Agora, o horizonte é outro!

A revolução egípcia foi tão importante no contexto da política interna do país como da política externa. A subserviência gratuita do governo de Mubarak ao governo israelense está gradativamente sendo anulada. Junto desta imoral submissão, Mubarak oferecia acordos comerciais com Israel a baixo custo, como é o caso do fornecimento de gás natural. Hoje, no entanto, o governo interino egípcio já estuda a possibilidade de dobrar os valores contratuais, uma vez que o mesmo está bem abaixo do valor de mercado.

Além disso, a fronteira entre Egito e Gaza está aberta e pelo que parece não será mais fechada conforme o governo israelense desejava. Essas e outras medidas de cooperação internacional estão e estarão fazendo parte da nova política externa egípcia.

Abeer Ayyoub do Jornal Al Masrya Al Youm disse em artigo que “Para muitos palestinos, a aproximação é um passo inicial obrigatório para enfrentar a ocupação israelense. Palestinos na Cisjordânia são destacados de outras comunidades palestinas pelos inúmeros postos de controle israelenses e pelos assentamentos. E os habitantes de Gaza continuam a definhar sob um cerco econômico severo e violência endêmica.”

Tudo indica que este ano a Palestina terá muitas conquistas. Com o reconhecimento da grande maioria dos países (hoje 116), alguns da Europa já manifestaram a intenção de fazer o mesmo. O movimento pró-palestina tem crescido fortemente. Grandes manifestações estão sendo preparadas, como uma nova flotilha para Gaza no próximo dia 15/05 e neste mesmo dia está sendo preparada uma marcha popular para a Palestina a partir do Egito. Para quem não sabe foi no dia 15 de maio de 1948 que Israel iniciou a série de ataques e guerras contra o povo palestino.


Em Setembro a Palestina submeterá sua solicitação de reconhecimento a partir das fronteiras de 67 à ONU. Infelizmente não esperamos muita coisa, mas a ação é importante para que o mundo perceba de que lado cada um está. É hora de decidir, entre a paz, a justiça e a liberdade ou a ocupação e a opressão.

E você, de que lado está?

------------------------------------------------------------------------------------------

sábado, 30 de abril de 2011

Egito adverte Israel: não interfira na abertura da fronteira com Gaza!


Via: Haaretz

Chefe do Estado Maior das Forças Armadas General egípcio Sami Annan advertiu Israel contra a interferência no plano do Egito para abrir a fronteira de Rafah com Gaza em uma base permanente.

O Egito anunciou esta semana que pretende abrir permanentemente a fronteira com Gaza dentro dos próximos dias.

O anúncio indica uma mudança significativa na política sobre Gaza, que antes da insurreição do Egito, foi operado em conjunto com Israel. A abertura de Rafah, permitirá o fluxo de pessoas e bens dentro e fora de Gaza, sem autorização ou supervisão de Israel, que não tem sido o caso até agora.

Um funcionário israelense disse na sexta-feira que Israel estava preocupado com os recentes posicionamentos do Egito, dizendo que poderia afetar a segurança nacional de Israel a um nível estratégico.

O bloqueio de Israel em Gaza tem sido uma política usada em conjunto com a polícia egípcia para enfraquecer o Hamas, que governa sobre a Faixa de Gaza desde 2007.

A abertura de Rafah seria uma violação de um acordo firmado em 2005 entre os Estados Unidos, Israel, Egito e União Européia.

Antes de revolta do Egito e destituição do antigo líder, Hosni Mubarak, a fronteira entre Egito e Gaza foram fechadas. No entanto, algumas vezes a fronteira foi aberta por tempo limitado.

Momento Palestina

Isso tudo ocorre num momento importante para Palestina, onde Hamas e Fatah, intermediados pelo Egito (aliados de Israel até a revolução egípcia) estão prestes a assinar um acordo de unidade. Este acordo é importante para a Palestina e para os palestinos. Quem não gostou nada disso foi Netanyahu. Na verdade ele não gostou de nada. Da decisão para a união entre Hamas e Fatah, dos novos direcionamentos que Egito está trazendo ao país diante da causa árabe, do movimento internacional pró-Palestina, do reconhecimento do Estado Palestino por grande parte das nações..... isso merece um novo post!

Até breve.
------------------------------------------------------------------------------------------

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Nascer e viver em Gaza



Não é de hoje que os palestinos vêm sofrendo todo tipo de violência por parte de Israel. Desde a partilha de 1948 vem sofrendo ataques, mortes e destruição. Apesar de tudo isso, os palestinos estudam, se formam, os jovens preparam-se para o casamento, constituem famílias, as mães levam seus filhos às escolas, e a vida vai seguindo como pode.

Ouvi uma frase semanas atrás em que diz assim: “A mãe palestina é a mãe mais forte do mundo. Todos os dias prepara o seu filho para escola, sem sabe ao certo se ele voltará”. Isso é verdade.

Desde que a Palestina se tornou obsessão Israelense, as pessoas daquela terra sofrem diariamente com perseguição, violação do direito de ir e vir, repressão, opressão, abuso, exploração, humilhação, sem falar da burocracia, já que em todos os lugares existem checkpoints israelenses.

A burocratização e a violação do direito de ir e vir, além de toda a escassez de direitos fez com que os palestinos de Gaza sofressem com a precariedade dos serviços de saúde. Pessoas que precisam de um tratamento de saúde, seja uma cirurgia ou até mesmo um tratamento mais especializado encontram dificuldades enormes, pois precisam de inúmeros documentos além de autorização para poderem seguir para outras cidades onde haja hospitais com os serviços necessários. Nem todos agüentam tanta burocracia e morrem.

O vídeo adiante mostra um pouco dessa história.



Al Jazeera

Assista o vídeo completo no youtube.

--------------------------------------------------------------------------------------------

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Últimas notícias sobre Egito - Mubarak atrás das grades


Foi preso ontem o ex-presidente do Egito Hosni Mubarak. Foram presos também seus dois filhos Alaa e Gamal. Todos sob a acusação de abuso de poder, corrupção, tortura e pela morte de manifestantes na revolução egípcia.

Abaixo, alguns vídeos que mostram as razões para que Mubarak seja condenado.













Este último vídeo mostra um resumo das razões que levaram à revolução e imagens da revolução.


video
-------------------------------------------------------------------------------------------
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...